As Aventuras de Pi

sábado, novembro 09, 2013 Iuçara Soares 2 Comentários


Inspirado na obra “A Vida de Pi” do escritor Yann Martel, o longa-metragem “As Aventuras de Pi” (Life of Pi) recebeu 11 indicações ao Oscar 2013, incluindo ao de Melhor Filme e Melhor Roteiro Adaptado.


Dirigido pelo renomado cineasta Ang Lee e com roteiro adaptado por David Magee (Em Busca da Terra do Nunca), o filme levou para casa 4 Oscars nas categorias de Melhor Diretor, Melhor Trilha Sonora Original, Melhores Efeitos Visuais e Melhor Fotografia.

Na trama


O indiano Piscine Molitor Patel, ou como prefere ser chamado Pi, decide contar sua história a um escritor em busca de inspiração. Desde a origem de seu nome, inspirado em uma piscina francesa, até o trágico momento em que perdeu tudo.

Pi faz parte de uma família dona de um zoológico em Pondicherry, na Índia, onde cresceu acreditando que Deus está em toda parte, razão pela qual pertence a três religiões diferentes. No entanto, devido a problemas financeiros seus pais decidem se mudar para o Canadá, a bordo de um imenso navio cargueiro, que acaba naufragando.

Órfão, perdido no meio do oceano Pacífico, Pi se vê a bordo de um barco salva-vidas tendo como companhia uma zebra, um orangotango, uma hiena e Richard Parker, um tigre de bengala.

Um fato interessante no filme é a forma como o protagonista deixa em aberto a questão sobre a veracidade de sua história, cabendo ao escritor e ao próprio público decidir se acredita ou não em seu relato. 

Produção

Produzido na Índia e em Taiwan, o longa-metragem foi rodado em grande parte dentro de um estúdio, o que possibilitou a criação dos cenários fascinantes descritos pelo personagem principal.

Desde o mar infinito, a ilha canibal, aos peixes voadores, a baleia, e até mesmo o tigre de bengala, que foi recriado digitalmente em quase todo o filme. Sendo que o tigre real foi usado apenas nas cenas em que estava sozinho.

Assim, além de uma emocionante história, “As Aventuras de Pi”, também conta com belíssimos cenários e incríveis efeitos especiais, que impressionam o público devido ao realismo das imagens produzidas em computador.

Livro x Filme

Embora inspirado no romance, publicado em 2001, o longa-metragem apresenta algumas diferenças em seu enredo, especialmente, na forma como o filme explora o lado religioso da história.

Pois, diferente do livro, o longa limita-se apenas a expor o fato de Pi acreditar em três religiões diferentes, sem se aprofundar muito no assunto. O que de certa forma enfraquece um pouco o enredo, fazendo com que o filme só comece a cativar o público no momento do naufrágio.

De fato, um dos aspectos mais interessantes da trama, tanto no livro como no filme, é a luta pela sobrevivência e a difícil relação de Pi com Richard Parker. Algo que consegue manter a atenção do público e do leitor até o seu desfecho final.

Uma outra diferença entre a obra e o longa é o modo como a história é contada, pois no livro, as aventuras de Pi são descritas nos mínimos detalhes, beirando ao exagero, o que não acontece no filme. Além disso, o livro também possui dois narradores, Pi e o escritor.

O escritor


 foto: Macarena Yanez
Filho de um casal franco-canadense, sendo o pai um diplomata do governo, Yann Martel nasceu em Salamanca, na Espanha.

No entanto, devido ao trabalho do pai, o autor cresceu em países como  França, Costa Rica, México e Canadá. Sendo que atualmente vive em Saskatoon, Canadá.

Antes de publicar seu primeiro livro “Seven Stories” em 1993, Martel estudou Filosofia na Trent University em Peterborough (Ontário), teve diversos empregos ao longo dos anos, desde plantador de árvores à guarda de segurança. Além de ter viajado muito.

O autor canadense escreveu inúmeras obras como "La Henrica" (1993), "The Facts Behind the Helsinki Roccamatios" (1993), "Self" (1996), "We Ate the Children Last" (2004), "Beatrice and Virgil" (2010), "101 Letters to a Prime Minister: The Complete Letters to Stephen Harper" (2012).

No entanto, sua obra de maior sucesso é o romance “Life of Pi”, que foi agraciado em 2002 com o Man Booker Prize, um dos mais prestigiados prêmios literários.


Considerado um sucesso de vendas, o livro, inspirado na obra “Max e os Felinos” do escritor brasileiro Moacyr Scliar, permaneceu por cerca de um ano na lista de bestsellers do New York Times. 

Assista ao trailer do filme (legendado):


2 comentários:

  1. Muito bacana a matéria, parabéns!! Assisti ao filme e gostei muito!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Fico feliz que tenha gostado da matéria. Também gostei muito do filme, a história e os efeitos são incríveis.

      Excluir

Deixe aqui seu comentário.

Responderei assim que possível.

Obrigada pela visita!