100 Anos de Hercule Poirot

quinta-feira, setembro 22, 2016 Iuçara Soares 0 Comentários


Há cem anos, a autora britânica Agatha Christie colocava o lápis no papel e escrevia seu primeiro livro “O Misterioso Caso de Styles”, no qual apresentava ao mundo o detetive belga Hercule Poirot.


Naquela época, Agatha Christie não fazia à menor ideia do quão famoso Poirot se tornaria, e nem quantas histórias ela iria escrever sobre suas proezas. Mas antes de se tornar esse grande homem, pouco conhecido por sua modéstia, Poirot percorreu um longo caminho da imaginação de sua autora para as páginas dos livros e daí para o resto do mundo.

A Origem

Durante a Primeira Guerra Mundial, Agatha Christie trabalhou como enfermeira voluntária no Hospital da Cruz Vermelha em Torquay, onde passou considerável tempo no dispensário, o que despertou seu interesse em venenos e a fez considerar o desafio de sua irmã Madge de escrever a sua própria história de detetive.

Assim, em 1914, Christie deu inicio ao seu primeiro romance, e com o esboço da trama pronto, faltava apenas encontrar um detetive para sua história. A inspiração para tal tarefa surgiu de uma colônia de refugiados belgas, que viviam em uma paróquia na sua cidade natal, Torquay. Devido aos conflitos, inúmeros refugiados de guerra chegavam à Inglaterra, em busca de um novo lar.

“Por que não seria belga meu detetive? Deixei que crescesse como personagem. Deveria ter sido um inspetor, de modo a poder ter certos conhecimentos sobre crimes.” - Agatha Christie, Uma Autobiografia

Com as características principais do personagem estabelecidas, era chegada à hora de dar-lhe um nome, mas não um qualquer. Com o desejo de um nome espetacular, Christie decidiu primeiro chamá-lo Hercules, como o herói da mitologia grega, depois veio Poirot. Não satisfeita com a combinação o nome foi ajustado e assim nasceu Hercule Poirot. Em seguida, a autora passou a se concentrar em terminar seu primeiro romance policial, que uma vez finalizado, em 1916, foi enviado para a editora Hodder and Stoughton, que devolveu. Não se deixando abater ela enviou a história para outra editora, a John Lane.

E em 1920, Poirot foi finalmente introduzido ao mundo em “O Misterioso Caso de Styles” (The Mysterious Affair at Styles), publicado quatro anos depois de ser escrito, sendo que coube a Arthur Hastings, um velho amigo de Poirot, a honra de descrever o famoso detetive aos leitores. 

“Poirot era um homenzinho de aparência extraordinária. Devia ter pouco mais de 1,60 metros de altura, mas exibia uma imensa dignidade. A cabeça tinha exatamente o formato de um ovo e ele sempre a inclinava ligeiramente para o lado. O bigode estava sempre bem aparado, com uma rigidez militar. A impecabilidade de suas roupas chegava a ser quase inacreditável. Tenho a impressão de que um pouco de poeira o teria feito sofrer mais que um ferimento à bala.” - Arthur Hastings, O Misterioso Caso de Styles

Anos depois, Agatha Christie diria que a introdução de Poirot a ficção policial não teria agradado nem um pouco ao detetive. Segundo a autora ele teria preferido “Hercule Poirot primeiro e, em seguida, um plano para exibir seu talento notável a sua melhor vantagem.”

Um grande detetive, sem nenhuma modéstia, mas com uma carreira brilhante, meio perfeccionista, com maneiras excêntricas, e um amor pela elegância e precisão, Hercule Poirot muitas vezes conclui suas investigações com um desfecho dramático, que satisfaz seu próprio ego e confirma a todos que ele é de fato “a maior mente na Europa”.

“Meu nome é Hercule Poirot, e eu sou provavelmente o maior detetive do mundo.” - Hercule Poirot, O Mistério do Trem Azul

Das páginas dos livros para o mundo

Considerado um dos mais famosos personagens da literatura policial de todos os tempos, Hercule Poirot protagonizou 33 romances e 59 contos, incluindo algumas das obras de maior sucesso de Agatha Christie como “Assassinato no Expresso do Oriente” (1934) e “O Assassinato de Roger Ackroyd” (1926).


Sendo que em 2014 a autora best-seller Sophie Hannah foi autorizada a escrever a primeira continuação das histórias de Poirot, “Os Crimes do Monograma”. Após o sucesso do romance, Hannah está de volta em 2016 com um novo romance de Poirot, “Caixão Fechado”.

Sucessos de vendas e críticas, algumas das histórias mais famosas do personagem também foram adaptadas para os mais diversos meios, como as peças de teatro, o rádio, o cinema, as séries de TV e até mesmo um anime, exibido no Japão em 2004.

David Suchet / foto: divulgação
O primeiro ator a interpretar o detetive belga foi Charles Laughton, em 1928, na peça teatral “Alibi”, baseada em “O Assassinato de Roger Ackroyd”. Já nas telas do cinema, Poirot foi interpretado pelo ator Austin Trevor (1931), e por Tony Randall (1965). Além do indicado ao Oscar, Albert Finney, que estrelou o clássico “Assassinato no Expresso do Oriente”, em 1974, e do vencedor de dois Oscars, Sir Peter Ustinov, que interpretou o detetive em seis filmes. 

No entanto, pode-se dizer, que o ator que mais se destacou no papel de Hercule Poirot foi David Suchet, cuja performance é considerada uma das mais precisas, e mais próxima do personagem dos livros. O ator estrelou a série de TV britânica “Agatha Christie's Poirot”, de 1989 a 2013. Criada por Christopher Gunning, a série foi produzida originalmente pela LWT e depois pela ITV Studios. 

O ator Kenneth Branagh também irá interpretar o papel de Hercule Poirot em uma nova adaptação cinematográfica de “Assassinato no Expresso do Oriente”, prevista para 2017, produzida pela 20th Century Fox e dirigida pelo próprio Branagh.

Saiba mais sobre Hercule Poirot no site oficial de Agatha Christie.

0 comentários:

Deixe aqui seu comentário.

Responderei assim que possível.

Obrigada pela visita!